Notícias que recomendamos sobre o setor

Internet para todos: o futuro do consórcio Iniciativa 5G Brasil

A Iniciativa 5G Brasil, grupo de 420 provedores de acesso que disputaram o edital da Anatel, se tornou um dos grupos que mais apareceram nos preparativos do leilão de 5G e que efetivamente se credenciaram para apresentar propostas com foco nas faixas de 3,5 GHz e 700 MHz. 

Em entrevista exclusiva para InternetSul News, o diretor Executivo do grupo, Rudinei Gerhart, explica que o modelo proposto pela iniciativa envolve a operadora Mega Net, responsável pelas obrigações impostas pelo edital. 

“Trata-se de uma empresa de um dos ISPs fundadores que foi preparada especialmente para a disputa da licitação. Um FIP (Fundo de Investimento em Participações) será sócio dessa companhia”, revela Gerhart.  

Na prática, o fundo com investimentos em empresas de tecnologia de telecomunicações deve fazer o aporte inicial de recursos para o cumprimento dos pagamentos mínimos e garantias do edital. “Precisamos ressaltar que não se trata de um investimento de quase R$ 19 bilhões, como muitos divulgaram. Para terem uma ideia, esse é o nosso business plan para 20 anos, mas os investimentos virão de todos os acionistas e de financiamento da própria operação”, diz o diretor. 

Os 420 ISPs serão cotistas do FIP que ainda será criado. As cotas serão correspondentes ao que a empresa aportar em recursos ou em serviços a serem prestados para a Mega Net. 

A estrutura e governança da Mega Net ainda estão sendo montadas, mas será uma empresa independente dos fundos investidores. Atualmente, a iniciativa é gerida por um conselho de 16 pessoas eleitos pelos ISPs que participaram das tratativas. Eles representam provedores de todas as regiões.

Como a Iniciativa 5G Brasil ainda não tem acordos de infraestrutura nem com empresas de torres nem com fornecedores de redes neutras, Gerhart não descarta a possibilidade desse tipo de negociação. 

Porém, no momento, o diretor conta que após o Leilão, o Grupo seguirá com os projetos da rede neutra e MVNO com recursos próprios das empresas. “Vamos continuar exatamente com o plano que havíamos construído inicialmente. A diferença é que não temos o espectro. Dessa forma, contrataremos o serviço de uma operadora já constituída, conseguindo operar imediatamente e sem a necessidade de um investimento gigantesco para montar uma companhia nacional”, conclui.

Últimas Notícias

Associada InternetSul conclui uma das maiores usinas solares do RS

Associada InternetSul conclui uma das maiores usinas solares do RS

A Brasil TecPar, associada InternetSul, acaba de começar a operar uma usina de energia solar em São Borja-RS. As usinas…
InternetSul agradece ao público do Na Estrada – Santa Rosa e alerta: logo vem mais por aí!

InternetSul agradece ao público do Na Estrada – Santa Rosa e alerta: logo vem mais por aí!

Lá se vão duas semanas do nosso InternetSul na Estrada – Edição Santa Rosa, que reuniu mais de 100 participantes…

Saiba mais